domingo, 23 de dezembro de 2012

*Ser mãe*

Nao sei se por efeito da viagem ou por andar a chocar algo, baby R. passou uma daquelas noites à antiga, entenda-se noites como no primeiro mês de vida...
Até foi para a cama mais cedo do que lhe é costume mas depois não parou de despertar praticamente de duas em duas horas. A ultima vez eram cerca de 06h45. Peguei nele apos todas as minhas tentativas falhadas para voltar a adormece-lo no berço. Reparei logo que tinha a testa mais quente do que o habitual. Bastou para eu ficar preocupada. Terá sido efeito da viagem longa? Terá apanhado alguma corrente de ar durante a mesma? Terá apanhado frio apos ter tomado banho? 1001 perguntas e 0 respostas...
Dei-lhe um Benuron em supositório e deve de ter feito efeito pois passado uma hora e apos muito choramingar, la se deixou vencer pelo sono. Sao neste momento 12h e continua a dormir serenamente na minha cama. Nem sequer voltou a acordar para tomar o biberão da manha e eu deixo-o estar. Se tivesse mesmo fome, tenho a certeza absoluta que ele não deixaria passar tal coisa!
Com isto tudo, também eu não recuperei devidamente da viagem, atrasei-me na lista de coisas que tenho para fazer antes da Consoada mas o meu coração já esta bem mais descansado e isso é o mais importante. Mas é horrível este sentimento de vulnerabilidade que tenho quando o meu filho está mal e não posso ajuda-lo... Cada vez dou mais valor à minha mãe que criou duas filhas com menos de 23 anos...
Queria poder ficar com a dor dele multiplicada por cinco se isso o fizesse sentir melhor...mas não posso... A partir do momento em que os nossos bebés nascem ficamos com o coração nas mãos e é verdade... Acaba-se aquele sossego e inconsciência que tínhamos antes de ele nascer para nunca mais estarmos descansados a 100%... Desde o seu primeiro minuto de vida, passou a ser o meu ponto forte e fraco. Forte por ser a minha razão de viver e fraco por ser o meu tendão d' aquiles... mas apesar disso tudo e muito mais, ser mãe é a melhor coisa do mundo. Ninguém disse que era fácil afinal...

2 comentários:

Supimpona disse...

Muitas vezes ainda penso na fase em que não tinha ninguém dependente de mim. Era bom? Era. Mas depois de iniciar o meu papel de mãe (que muitas vezes é difícil e cansativo) não o trocava por nada. Mesmo quando vou com o meu marido uma noite para fora para fugirmos à rotina, sabe bem e ao mesmo tempo bate uma saudade enorme do Baby Boy!

Lu Mar disse...

Sinto exactamente o mesmo! Na semana passada fui ao cinema, há praticamente um ano que já não ia... e não é que o meu pensamento ia sempre para o meu filho?? :) Ehehehe